Angélica – Angelica archangelica

Angélica é conhecida desde a era medieval

Angelica archangelica é uma erva medicinal nativa do norte da Europa, a planta tem componentes bioativos. Acredita-se que ela é uma das poucas ervas medicinais originárias do hemisfério norte e era uma das plantas que sobreviveram à era glacial 8-10.000 anos atrás.

Os Vikings introduziram a Angélica na Europa quando faziam trocas com os europeu. A erva era um item importante de exportação da Islândia até por volta do ano 1500 e foi até usada como moeda no comércio.

A erva angelica tem sido usado na Islândia por 1100 anos. A angelica estava entre os primeiros vegetais cultivados na Escandinávia e na maioria das fazendas da Islândia. Tinturas e infusões de ervas foram feitas a partir da Angelica para tratar do estômago e doenças respiratórias e para se recuperar depois da doença.

Conta a história que o nome em latim Angelica archangelica, foi dado por um monge francês no século 17. Diz que este monge teria sonhado com o Arcanjo Rafael que apontou para a erva como a cura a praga.

A Angelica archangelica era a erva favorita usada em rituais de cura pagãos, oferecendo poderes mágicos de proteção.

Angélica é amplamente utilizado na medicina herbal. Os constituintes principais da Angelica são óleos voláteis, ácido valérico, ácido angélico, angelicina, safrol, escopoletina e ácido linoleico, tornando-se útil no tratamento da febre, resfriados, tosse, cólicas flatulento e outros distúrbios do estômago. Uma infusão medicinal feita a partir do caule, semente e raíz é carminativo, emenagogo, diaforético, sedativo, digestivo e tônico. Angelica é utilizada para controlar a obstrução da menstruação e não deve ser tomado em grandes quantidades por mulheres grávidas.

A raíz da Angélica contém vitamina B12, zinco, tiamina, sacarose, riboflavina, potássio, magnésio, ferro, frutose, glicose, e muitos outros minerais. Externamente é utilizado para fazer gargarejo para dor de garganta e boca e como um cataplasma medicinal para ossos quebrados, inchaços, coceiras e reumatismo.





Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *